Significations attributed to idleness in psychodramatic workshops in a non- governmental organization

  • Eloisa Vilas Boas Rosas
  • Jacinta Maria Grangeiro Carioca
Keywords: psychodrama, non-governmental organization, work, idleness

Abstract

This article aimed to identify the significations attributed to idleness based on psychodramatic workshops together with the team of the Association of Volunteers of Hospital São José. The emerging needs of organizational and personal behaviors were performed in various expressions of participants: in playing, delivering, listening to oneself and the other, searching the reconciliation of individual and organizational needs avoiding the dichotomy and scouring the integration movement aligned with a period that acts in truth and in presence. The bibliographic research and case study focused on the qualitative analysis showing the richness of the group process. The results show that the psychodramatic methodology has promoted the signification of idleness in a creative dimension supporting the pedagogy of idleness.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Associação Brasileira de Recursos Humanos – ABRH-RS. (2013). Sigmar Malvezzi destaca as três forças que caracterizam o mundo. Retirado de http://www.abrhrs.com.br/congregarh/sigmar-malvezzi-destaca-as-tres-forcas-que-caracterizam-o-mundo/

Albornoz, S. (2012). O que é trabalho (9a. ed.). São Paulo: Brasilense.

Antunes, R. (2000). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho (3a. ed.). São Paulo: Boitempo.

Antunes, R. (2014). Desenhando a nova morfologia do trabalho e suas principais manifestações. In A. R. Crespo, C. G. Bottega, & K. V. Perez, Atenção à saúde mental do trabalhador: sofrimento e transtornos psíquicos relacionados ao trabalho. Porto Alegre: Evangraf.

Associação de Voluntários do Hospital São José – AVHSJ (2017). Retirado de http://www.avhsj.org.br/aavhsj/

Borges, L. O., & Yamamoto, O. H. (2014). O mundo do trabalho. In J. C. Zanelli, J. E.

Borges-Andrade, & A. V. B. Bastos (Orgs.), Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed.

Bustos, D. M. (Colab.). (2005). O psicodrama: aplicações da técnica psicodramática (3a. ed., rev. e ampl.). Rio de Janeiro: Ágora.

Dal Rosso, S. (2008). Mais trabalho! São Paulo: Boitempo.

Cabeza, M. C. (2009). Perspectivas actuales de la pedagogía del ocio y el tiempo libre. In J. C. O. López (Coord.), La pedagogía del ocio: Nuevos desafíos (pp. 9-27). Lugo, Espanha: Axac.

Cubo, R. (2016). Retirado de https://www.facebook.com/groups/921354971307045/permalink/929996587109550/

Francisco, S. (2008). O tempo livre, o ócio e a animação. Revista Práticas de Animação, 2(1), 16. Retirado de https://sites.google.com/site/revistapraticasdeanimacao/O_tempo_l...pdf

Haag, C. (2012). A ilusão da igualdade. Revista Pesquisa Fapesp, 194, 76-81. Retirado de http://revistapesquisa.fapesp.br/2012/04/10/a-ilus%C3%A3o-da-igualdade/

Ianni, O. (2005). A sociedade global (12a. ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

López, J. C. O. (Coord.). (2009). La pedagogía del ocio: Nuevos desafíos. Retirado de http://www.apega.org/attachments/article/279/pedagocio.pdf

Marx, K. (2006). Manuscritos econômicos-filosóficos. São Paulo: Martin Claret.

Meireles, E. C., & El-Aquar, W. A. (2002). O desafio das ONGs ante a minimização do papel do Estado no cenário global. Caderno de Pesquisas em Administração, 9(3), 1-12. Retirado de http://www.regeusp.com.br/arquivos/v9n3art1.pdf

Minayo, M. C. S. (2006). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (9a. ed., revista e aprimor.). São Paulo: Hucitec.

Moscovici, F. (2003). Renascença organizacional: a revalorização do homem frente à tecnologia para o sucesso da empresa (10a. ed.). Rio de Janeiro: José Olympio.

Moscovici, F. (2004). Desenvolvimento interpessoal: treinamento em grupo (14a. ed.). Rio de Janeiro: José Olympio.

Oliveira, P. de S. (Org.). (1998). Metodologia das ciências humanas. São Paulo: Hucitec/UNESP.

Pousada, R. R. (2017). El objeto intermediário. Retirado de http://rosarey.redbiocultural.net/contenido/el-objeto-intermediario

Ramos, A. M. O. (2012). Os significados de Ocio/Recreación nas constituições de países latinoamericanos de língua espanhola (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais. Retirado de http://www.eeffto.ufmg.br/eeffto/DATA/defesas/20150714110701.pdf

Rojas-Bermúdez, J. G. (1970). Introdução ao psicodrama. São Paulo: Mestre Jou.
Published
2020-01-10
How to Cite
Vilas Boas Rosas, E., & Maria Grangeiro Carioca, J. (2020). Significations attributed to idleness in psychodramatic workshops in a non- governmental organization. Revista Brasileira De Psicodrama, 25(2), 37-46. Retrieved from https://revbraspsicodrama.emnuvens.com.br/rbp/article/view/187
Section
Artigos Inéditos