New directions for psychological emergency attendance: psychodrama as a reference

Keywords: Psychological emergency attendance, Psychodrama, Clinical psychology

Abstract

Psychological emergency attendance is a clinical intervention that supports the client in the face of some circumstantial difficulty. The theoretical-practical developments in this modality were done based on the person-centered approach, predominantly. In this work, the objective was to investigate the possibilities of development of this clinical practice in the referential of psychodrama. The field diaries produced from interventions made with people in socially vulnerable situations were the object of a qualitative analysis. The results showed that working with action resources can be an important clinical strategy to enhance the expression of clients’ suffering and that the construction of an intersubjective field based on the concept of tele, permeated by affectivity and authenticity, is a psychodramatic contribution to working with marginalized people.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Almeida, W. C. (2006). Psicoterapia aberta. O método do psicodrama, a fenomenologia e a psicanálise. São Paulo: Ágora.
Almeida, W. C. (2012). Rodapés psicodramáticos: subsídios para ampliar a leitura de J.L. Moreno. São Paulo: Ágora.
Breschigliari, J. O. & Jafelice, G. T. (2015). Plantão Psicológico: Ficções e Reflexões. Psicologia: Ciência e Profissão, 35 (1), 225-237. https://doi.org/10.1590/1982-3703000112014.
Charmaz, K. (2009). A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed.
Colombo. M. (2012). Modernidade: a construção do sujeito contemporâneo e a sociedade de consumo. Revista Brasileira de Psicodrama, 20 (1), 25-39.
Cukier, R. (1992). Psicodrama Bipessoal. Sua técnica, seu terapeuta e seu paciente. São Paulo: Àgora.
Cukier, R. (1998). Sobrevivência emocional: as dores da infância revividas no drama adulto. São Paulo: Ágora.
Cukier, R. (2011). Psicossociodrama da inveja: atire a primeira pedra se você puder! Revista Brasileira de Psicodrama, 19 (1), 13-33.
Figueiredo, L. C. M. (2009). Revisitando as psicologias. Da epistemologia à ética das práticas e discursos psicológicos. Petrópolis: Vozes.
Fonseca, J. (2000). Psicoterapia da relação: elementos de psicodrama contemporâneo. São Paulo: Ágora.
Furigo, R. C. P. L. (2006). Plantão Psicológico: uma análise da contribuição junguiana para a atenção psicológica na área da saúde. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas.
Furigo, R. C. P. L., Sampedro, K. M., Zanelato, L. S., Foloni, R. F., Ballalai, R. C., & Ormrod, T. (2008). Plantão Psicológico: uma prática que se consolida. Boletim de Psicologia, 58 (129), 185-192.
Gomes, F. M. D. (2008). Plantão Psicológico: Novas Possibilidades em Saúde Mental. Revista da SPAGESP - Sociedade de Psicoterapias Analíticas Grupais do Estado de São Paulo, 9 (1) 49-56.
Mahfoud, M. (Org.) (2012). Plantão Psicológico: Novos Horizontes. São Paulo: Companhia Ilimitada.
Moreno, J. L. (1975). Psicodrama. São Paulo: Cultrix.
Moreno, J. L. (1983). Transferência, Contra-transferência e Tele: suas relações com a pesquisa de grupo e com a psicoterapia de grupo. In: J. L. Moreno, Fundamentos do Psicodrama (pp 17-57). São Paulo: Summus.
Moreno, J. L. (2012). O teatro da espontaneidade. São Paulo: Ágora.
Naffah-Neto, A. (1997). Psicodrama: descolonizando o imaginário. São Paulo: Plexus.
Oliveira, J. F. & Vieira, É. D. (2015). Reflexões sobre a relação terapêutica: perspectivas da Gestalt-terapia e do Psicodrama. Revista IGT na Rede, 12 (22), 92-110.
Perazzo, S. (1994). Ainda e sempre psicodrama. São Paulo: Ágora.
Perches, T. H. P. & Cury, V. E. (2013). Plantão psicológico em hospital e o processo de mudança psicológica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 29 (3), 313-320. https://doi.org/10.1590/S0102-37722013000300009
Rebouças, M. S. S, & Dutra, E. (2010). Plantão psicológico: uma prática clínica da contemporaneidade. Revista da Abordagem Gestáltica, 16 (1), 19-28.
Romagnoli, R. C. (2015). Problematizando as noções de vulnerabilidade e risco social no cotidiano do SUAS. Psicologia em Estudo, 20 (3), 449-459. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v20i3.28707
Schmidt, M. L. S. (2006). Continuidade e ruptura: Interpretação da história do Serviço de Aconselhamento Psicológico do Instituto de Psicologia da USP. Mnemosine, 2 (2), 3-32.
Souza, B. N. & Souza, A. M. (2011). Plantão psicológico no Brasil (1997-2009): saberes e práticas compartilhados. Estudos de Psicologia, 28 (2), 241-249. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2011000200011
Vieira, É. D. (2009). Psicodrama: Introdução à Teoria, Prática e Pesquisa. Revista da Sociedade de Psicologia do Triângulo Mineiro, 13 (1), 88-93.
Vieira, E. M. & Boris, G. D. J. B. (2012). O plantão psicológico como possibilidade de interlocução da psicologia clínica com as políticas públicas. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 12 (3), 883-896.
Published
2019-12-19
How to Cite
Vieira, Érico D. (2019). New directions for psychological emergency attendance: psychodrama as a reference. Revista Brasileira De Psicodrama, 27(2), 199-211. Retrieved from https://revbraspsicodrama.emnuvens.com.br/rbp/article/view/20
Section
Original Papers