The Importance of Welcoming and Warming up in Groups without spontaneous demand in the context of Justice.

  • Stela Dalva Abritta
  • Fernanda Cunha Fontoura Roque
  • Maria Eveline Cascardo Ramos
Keywords: Welcoming, Warming-up, Violence against women, Groups, Justice

Abstract

This article presents aspects of the experience of counselling with groups of men involved in domestic violence. It addressed part of the results obtained during four years of social therapeutic intervention within the Justice system. Emphasis is placed on the welcoming and the warming up stages of the session, in the social therapeutic counselling and in the group process. The methodology used is psychodrama and the research-through-intervention method using comprehensive analysis of the life experiences of each group and the comparative analysis between groups. Finally, we conclude that, in groups of individuals referred to us by the Justice system, particularly the ones who deal with violence against women, the welcoming and the warming up have an important function in the process of intervention promoting the protagonism of the individuals and the rescue of spontaneity and adequate responses to the situations of their own lives.

Downloads

Download data is not yet available.

References

ABRITTA, S. D. Psicologia e justiça: uma parceria profícua. 6 mai. 2012. 40 p. Monografia de especialização em Psicodrama – Pontifícia Universidade Católica de Goiás e Centro de Psicodrama de Brasília. Brasília, 2012.

_____; SILVA, N. L. P. Violência velada e revelada: um relato de experiência com um grupo de homens. Psicologia IESB, América do Norte, 2, ago. 2010. Disponível em . Acesso em: 14 jul. 2012.

BRASIL. Lei no. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Diário Oficial da União, Brasília, 8 ago. 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2012.

BUBER, M. Eu Tu. 10. ed. São Paulo: Centauro, 2006.

DAVOLI, C. “Aquecimento: caminhos para a dramatização”. In: ALMEIDA, W. C. de (org.). Grupos: a proposta do psicodrama. São Paulo: Ágora, 1999, p. 77-88

FONTOURA, F. A violência no casal: uma análise a partir do grupo socioterapêutico de homens encaminhados pela justiça. Artigo de conclusão de curso. Graduação em Psicologia da Universidade Católica de Brasília. Brasília, 2009.

_____. Poder e Empoderamento na intervenção socioterapêutica com grupos de homens encaminhados pela justiça: um caminho possível?. 6 mai. 2012. 43 p. Monografia de especialização em Psicodrama – Pontifícia Universidade Católica de Goiás e Centro de Psicodrama de Brasília. Brasília, 2012.

FONSECA FILHO, J. S. F. Psicodrama da loucura: correlações entre Buber e Moreno. São Paulo: Ágora, 1980.

MARRA, M. M.; FLEURY, H. J. (orgs.). Grupos: intervenção socioeducativa e método sociopsicodramático. São Paulo: Ágora, 2008.

MONTEIRO, R. F. Jogos dramáticos. São Paulo: Ágora, 1994.

MORENO, J. L. Psicoterapia de grupo e Psicodrama. São Paulo: Mestre Jou, 1974.

_____. Psicodrama. São Paulo: Editora Cultrix, 1975.

_____. Fundamentos do Psicodrama. São Paulo: Summus, 1983.

_____. Quem sobreviverá? Fundamentos da Sociometria, Psicoterapia de Grupo e Sociodrama. V. II. Goiânia: Editora Dimensão, 1994a.

_____. Quem sobreviverá? Fundamentos da Sociometria, Psicoterapia de Grupo e Sociodrama. V. III. Goiânia: Editora Dimensão, 1994b.

_____. Quem sobreviverá? Fundamentos da Sociometria, da Psicoterapia de Grupo e do
Sociodrama – edição do estudante. São Paulo: Editora Daimon, Centro de estudos do relacionamento, 2008.

_____; MORENO, Z. T. Psicodrama: terapia de ação & princípios da prática. São Paulo: Daimon, 2006.

OSÓRIO, L. C. “Teoria sistêmica e da comunicação humana”. In OSÓRIO L. C.; VALLE, M. E. P. Terapia de famílias: novas tendências. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PERAZZO, S. Ainda e sempre psicodrama. São Paulo: Ágora, 1994.

RAMOS, M. E. C. “O Agir Interventivo e a Pesquisa-ação”. In: MARRA, M. M.; FLEURY, H. J. (orgs.). Grupos: intervenção socioeducativa e método sociopsicodramático. São Paulo: Ágora, 2008, p. 45-55.

_____. Homens e mulheres envolvidos em violência e atendidos em grupos socioterapêuticos: união, comunicação e relação. Revista Brasileira de Psicodrama. São Paulo: v. 21, n. 1, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2014.

_____; FONTOURA, F. “O gênero e a violência no casal”. In: GALINKIN, A. L.; SANTOS, C. (org.). Gênero e Psicologia Social interfaces. Brasília: Technopolitik, 2010, p. 527-556.

RAMOS, M. E. C.; SANTOS, C.; DOURADO, T. “Violência intrafamiliar: desvelando a face (oculta) das vítimas”. In: LIMA, F. R.; SANTOS, C. (orgs.). Violência doméstica: vulnerabilidades e desafios na intervenção criminal e multidisciplinar. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

SANTOS, A. J.; CONCEIÇÃO, M. I. G. Espiral psicodramático: ciência e arte do aquecimento. Revista Brasileira de Psicodrama [on-line]. V. 22, n. 1, p. 54-64, 2014.

ZIMERMAN D. E. “O primeiro contato. A entrevista inicial. Os critérios de analisabilidade. O contrato”. In: ZIMERMAN, D. E. Manual de técnica psicanalítica: uma re-visão. Porto Alegre: Artmed, 2004.
Published
2020-01-17
How to Cite
Dalva Abritta, S., Cunha Fontoura Roque, F., & Eveline Cascardo Ramos, M. (2020). The Importance of Welcoming and Warming up in Groups without spontaneous demand in the context of Justice. Revista Brasileira De Psicodrama, 23(2), 6-15. Retrieved from https://revbraspsicodrama.emnuvens.com.br/rbp/article/view/349
Section
Artigos Inéditos